quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Berrini vai ganhar corredor de ônibus


Fonte: NewMark

Faixa exclusiva de 3 km e R$ 40 milhões ficarão ao lado do canteiro central; expectativa é diminuir conflitos com entra e sai de garagens

A Secretaria Municipal dos Transportes (SMT) vai construir um corredor de ônibus na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, no Brooklin, zona sul de São Paulo. A faixa exclusiva para o transporte coletivo vai ser colocada ao lado do canteiro central, ocupando uma das três faixas da via. A previsão é que a obra seja entregue até o fim de 2012.

O novo corredor vai ter três quilômetros de extensão. A faixa exclusiva terá início na Luís Carlos Berrini (no final da Rua Funchal) e seguirá até o cruzamento da Avenida Roque Petroni Júnior - vai passar por um trecho de poucos metros da Chucri Zaidan. Haverá uma conversão na altura da Roque Petroni para fazer a interligação com o corredor de ônibus intermunicipal Diadema-Brooklin.

Serão investidos cerca de R$ 40 milhões. A estimativa da Secretaria dos Transportes é que pelo menos 33 linhas de ônibus utilizem o futuro corredor - quantidade que percorre atualmente a Berrini - e cerca de 150 mil passageiros serão transportados por dia.

O objetivo da Secretaria dos Transportes é acabar com os "conflitos" e disputa de espaço entre automóveis e ônibus. Atualmente, os veículos de transporte coletivo enfrentam congestionamentos e perdem muito tempo por causa da entrada e saída de carros nas garagens dos edifícios da Berrini. Mesmo com uma faixa de circulação a menos, a avaliação é que o trânsito ficaria mais organizado, melhorando a fluidez para os dois tipos de transporte.

"Um corredor na Berrini vai proporcionar um ordenamento melhor do trânsito, tanto para os ônibus quanto para os carros", diz o engenheiro de Tráfego e mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo (Poli-USP) Sérgio Ejzenberg. O especialista avalia que a retirada dos ônibus do lado direito vai melhorar a situação dos automóveis e da própria região, uma vez que as entradas dos prédios não terão mais pontos, com aglomeração de pessoas na frente, e os veículos poderão entrar mais facilmente nas garagens.

Ejzenberg, porém, acredita que a situação vai ser mais positiva para os ônibus, pois a posição das paradas poderá ser mais bem estudada. "Hoje os pontos de ônibus estão colocados onde há espaço. Não é possível posicioná-los segundo um estudo de demanda. Por isso vai melhorar o desempenho dos ônibus, mas é preciso que o corredor tenha área de ultrapassagem."

Os técnicos da São Paulo Transportes (SPTrans) ainda vão definir se haverá áreas de ultrapassagem. Uma das possibilidades é utilizar parte do canteiro central, que é largo - só não pode ser totalmente usado para esse fim porque há janelas de inspeção de córregos em determinados trechos.

Repercussão. Os motoristas que enfrentam diariamente os congestionamentos na Berrini temem que a situação piore com a perda de uma faixa de tráfego. "Com certeza vai melhorar a organização sem os ônibus do lado direito, o que vai dar uma agilidade maior para as outras duas faixas. Só tem de ver se não é muito carro para só duas faixas", diz o administrador de empresas Fábio Mendes, de 29 anos.

Por sua vez, os passageiros dos ônibus se empolgaram com a faixa exclusiva. "No horário de pico perco uns 40 minutos desde a Juscelino (Avenida Juscelino Kubitschek) até o meu trabalho, na Rua Guararapes. Em grande parte é por causa das filas de ônibus e carros", diz a publicitária Paula Baiadori, de 21 anos.

Rede de coletivos

10 corredores exclusivos de ônibus - nos quais os demais veículos não podem trafegar - existe atualmente na capital paulista 4 projetos de novos corredores foram anunciados neste ano: Radial Leste, Estrada de Itapecerica, Casa Verde e Berrini 66 quilômetros de novos corredores é a promessa da gestão Gilberto Kassab (DEM) até 2012. Os quatro projetos anunciados até agora somam cerca de 40 km.