terça-feira, 5 de julho de 2011

Índice que reajusta os aluguéis tem deflação


Fonte: Focando.com.br

Queda é a 1ª desde 2009. Especialistas alertam que valorização de imóveis dificulta redução de preço na locação

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou queda de 0,18% em junho na primeira deflação desde dezembro de 2009. O recuo na taxa, a mais utilizada no reajuste dos contratos de aluguel, foi impulsionado sobretudo por baixas nos preços agrícolas e do etanol. No acumulado do ano, o IGP-M acumula alta de 3,15%. No acumulado de 12 meses, saiu de 9,77% para 8,65%. Mas a Fundação Getulio Vargas (FGV), responsável pelo indicador, avalia que o movimento é pontual e não deve se repetir nos próximos meses. Além disso, especialistas alertam que, com o mercado aquecido e a valorização dos imóveis, dificilmente o inquilino conseguirá redução de preços, mas a orientação é negociar.

- Os fatores que mais contribuíram para a queda (do IGP-M) começam a ter uma reversão. É o caso do álcool, que voltou a subir nos últimos quinze dias e não terá outra queda tão grande quanto a de junho (-30,31%). Além disso, voltaremos a enxergar a pressão dos serviços, agora escondida por quedas acentuadas em outros itens – diz o coordenador de Análises Econômicas da FGV, Salomão Quadros. O economista projeta que a taxa voltará a ser positiva nos próximos meses, embora em níveis inferiores aos do segundo semestre do ano passado, quando houve escalada dos preços de commodities agrícolas.

Dos três índices que compõem o IGP-M, dois recuaram. Com peso de 30% na composição do indicador, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) saiu de 0,90% em maio para -0,12%. Já o IPA, que pesa 60%, saiu de 0,03% para -0,45%. Os preços de produtos agropecuários recuaram 2,10%. Os industriais subiram apenas 0,15%. A maior contribuição para o recuo do IPA foi do álcool anidro, que caiu 30,31% em resposta ao início da safra e acomodação após fortes altas em meses anteriores. O INCC, que mede custos da construção, teve variação positiva de 1,43%.