sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Por que a expansão do mercado imobiliário brasileiro ainda não gerou uma bolha?


Fonte: melhoresacoes.com.br

Na verdade, os preços dos imóveis no Brasil apenas recentemente começaram a acompanhar a inflação. Anteriormente, os preços subiam abaixo dos níveis de inflação, e os recentes reajustes provam que houve um ajuste de preços necessário no mercado imobiliário brasileiro.



Não há dúvida de que o mercado imobiliário brasileiro está em franca expansão. Segundo muitos analistas, este é apenas o começo de um longo ciclo positivo para o mercado imobiliário brasileiro, que será acompanhado por um período duradouro de aumento de preços.

Por exemplo, o JP Morgan recentemente divulgou um estudo sobre a relação entre os valores dos imóveis e o nível de renda. Este estudo mostra que enquanto o valor dos imóveis no Brasil 5,5x a renda anual média; em países como China e Cingapura, esta relação aumenta para 11x a renda média, o que significa que há bastante espaço para aumento dos preços dos imóveis no Brasil.



Um dos fatores fundamentais por trás do forte aquecimento do mercado imobiliário brasileiro é a imensa demanda por imóveis. Esta demanda veio de todas as classes sociais, e nas classes menos favorecidas, o programa do governo, Minha Casa Minha Vida, está ajudando a enfrentar o problema.



Muitos especialistas do setor imobiliário acreditam que o programa Minha Casa Minha Vida está tendo um papel importante no aquecimento do mercado imobiliário brasileiro. O programa iniciou semana passada sua segunda fase no Brasil, construindo 2 milhões de moradias no Brasil até o fim de 2014, o que ajuda aaquecer o mercado imobiliário ainda mais.



Além disso, há uma escassez na oferta. Isto pode ser observado em todos os setores, e a oferta no mercado imobiliário brasileiro é particularmente aguda. Não há dúvida de que o Brasil precisa de novas construções, em todos os setores do mercado imobiliário, principalmente escritórios comerciais, onde as taxas de imóveis vagos estão atingindo os menores níveis de todos os tempos.



Necessidade de mais recursos...



Apesar dos financiamentos imobiliários no Brasil terem crescido rapidamente nos últimos anos, o nível total de empréstimos ainda representa uma pequena parte do PIB brasileiro. Os financiamentos imobiliários no Brasil estão atualmente em torno de 5% do PIB, e este é um motivo de preocupação no México e no Chile, onde esta relação está em 11% e 18%, respectivamente.

Além disso, analisando o sistema de financiamento no Brasil; é óbvio que há muito espaço para crescimento. Os empréstimos máximos no setor imobiliário brasileiro são de 65% do valor do imóvel e os financiamentos imobiliários são de curto prazo (15 anos). Além disso, neste mercado imobiliário aquecido há uma abundância de alternativas no mercado de capitais. Analistas acreditam que o Brasil possui bastante espaço para iniciar a securitização de larga escala para este mercado nos próximos anos.