sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Da zona Leste à zona Sul, aluguel varia até 300% em SP


Fonte: Exame.com

As opções mais caras de São Paulo ficam na região A da zona Sul, onde estão bairros como Higienópolis, Itaim, Jardins, Moema, Morumbi, Paraíso e Vila Olímpia

São Paulo - O valor do metro quadrado do aluguel na cidade de São Paulo varia até 294%, indo de R$ 8,50 até R$ 33,51, quando comparamos os preços praticados nas diversas regiões da cidade. Quem está procurando um imóvel para alugar tem maiores chances de economizar se optar por um imóvel de três dormitórios na região mais nobre da Zona Leste, que inclui os bairros Alto da Mooca, Tatuapé, Mooca e Belém. Lá, para esse tipo de imóvel, os valores praticados em julho ficaram entre R$ 8,50 e R$ 17,37 por m², de forma que uma moradia de 100m² é alugada na faixa de R$ 850,00 a R$ 1.737,00.


No outro extremo, as opções mais caras da cidade ficam na região A da Zona Sul, onde estão bairros como Higienópolis, Itaim, Jardins, Moema, Morumbi, Paraíso, Vila Olímpia, entre outros. Nesses bairros, imóveis de 4 dormitórios chegam a ser locados por R$ 33,51/m² e os de 1 dormitório, por R$ 30,86/m².

No bolso do inquilino, o que pesa é a conta final, que leva em conta a metragem do imóvel. Então é preciso calcular. Em julho, um imóvel de 3 quartos na Zona Norte da cidade, em bom estado, teve aluguel por m2 negociado entre R$16,19 e R$ 17,67, de forma que uma moradia de 90 m² teria locação entre R$ 1.457,00 e R$ 1.590,00. Já quando vamos para o Centro, o mesmo tipo de imóvel tem aluguel/m² entre R$ 20,50 e R$ 22,68. Assim, um imóvel com área em torno de 70m² na região teria aluguel entre R$ 1.435,00 e R$ 1.587,60.

Preços em alta

Em um ano, o valor médio dos aluguéis na cidade de São Paulo subiu 18%. A valorização é superior ao reajuste dos contratos já em andamento que, no mesmo período, aumentaram 8,36%, conforme variação do IGP-M. Em julho, foram as moradias de 3 dormitórios que tiveram os maiores aumentos. Seu preço subiu em média 1,7% em comparação com os valores praticados em junho. Os imóveis de 2 quartos aumentaram 1,3% e os de 1 dormitório, 1%.

“Esse descompasso entre a variação dos aluguéis novos e antigos ocorre porque a procura de moradias para locação está bem mais elevada, na cidade de São Paulo, do que a oferta”, esclarece Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP. Segundo ele, para reverter esse quadro no médio prazo seria preciso criar mecanismos de incentivo para as pessoas investirem em unidades destinadas à locação, como isentar os proprietários do pagamento de Imposto de Renda sobre o aluguel recebido.