terça-feira, 5 de abril de 2011

Limite de espaço para novos prédios encarece a Lapa

Fonte: Clip Imobiliário

O mercado imobiliário da Lapa (zona oeste) está reaquecido. Após um bom número de lançamentos em 2009 (nove) e uma queda em 2010 (seis), 2011 prevê cinco novos empreendimentos só até o fim de abril, com o valor do metro quadrado em alta.

O preço médio do m² dos lançamentos pulou da faixa de R$ 4.600 em 2008 para os R$ 5.700 em 2010, segundo dados da empresa de pesquisas imobiliárias Geoimovel.

A estimativa é de elevação também dos preços dos imóveis prontos, cujo m² varia hoje de R$ 6.000 a R$ 8.000, de acordo com a Geoimovel.

Parte da valorização se deve à dificuldade de aprovar novos projetos na Lapa. A Lei de Zoneamento restringe a quantidade de m² a ser construída em um terreno, em relação a sua área. O incorporador deverá pagar uma contrapartida à prefeitura - a outorga onerosa - se quiser construir além desse limite.

"Antes [da lei atual] era possível construir até quatro vezes o tamanho do lote, agora são até duas vezes e meia, com outorga", frisa João DÁvila Neto, diretor da Geoimovel e da Amaral DÁvila Engenharia de Avaliações.

O estoque de área excedente para edificação é limitado por distrito. O da Lapa está esgotado para residenciais; isso, para o incorporador, significa aproveitar menos o potencial dos lotes, encarecendo os lançamentos.

A demanda por imóveis no distrito, atrativo pelo aumento da oferta de serviços e de comércio devido à verticalização, contribui para a alta de valores, diz DÁvila.

"Há escassez de produtos, mas ainda existem grandes áreas que podem ser incorporadas com a união de terrenos."