terça-feira, 30 de novembro de 2010

Com Atraso São Paulo tira do papel Operação Urbana


Fonte: Band News

Com nove anos de atraso, a prefeitura vai iniciar parte das obras previstas na Operação Urbana Água Espraiada, aprovada em 2001 na Câmara Municipal.

Na segunda-feira, a Secretaria Municipal de Habitação começa a construção de sete empreendimentos habitacionais para famílias de baixa renda previstas na operação.

Segundo a pasta, serão construídos 1.135 apartamentos no Real Parque, no Morumbi, e outros 814 no entorno das avenidas Jornalista Roberto Marinho e Washington Luiz.

A construção dos imóveis será custeada com recursos arrecadados com a venda de Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) para empreendimentos que ultrapassaram o potencial permitido na região.

A prefeitura informou que serão atendidas famílias que vivem no Jardim Edite e na Vila Corruíras. Apesar do início das obras, a prefeitura ainda tenta uma nova mudança no projeto. Foi enviada à câmara uma revisão da de extensão da avenida Jornalista Roberto Marinho até a rodovia dos Imigrantes.

O texto prevê a construção de um túnel com 2,3 quilômetros, que custará cerca de R$ 2,2 bilhões. A obra prevê a retirada de 9 mil famílias da região. Segundo a prefeitura, cerca de 7 mil delas vivem em favelas.