sexta-feira, 30 de abril de 2010

Construtora avança na análise de crédito


Fonte: Valor Econômico
Por: Daniela D'Ambrosio

As construtoras irão desempenhar papel fundamental na concessão de crédito imobiliário - serão o braço direito da Caixa Econômica Federal. Para atender à demanda gerada pelo Minha Casa, Minha Vida e evitar que o banco seja apontado como um entrave ao andamento do programa habitacional do governo, a Caixa irá transferir para as empresas todo o processo de análise de crédito. O projeto está em fase de testes e a companhia escolhida para fazer o piloto foi a mineira MRV, construtora que mais repassou clientes à CEF em 2009: nove mil contratos.

Pelo novo sistema, o objetivo é que a concessão do crédito seja feita em até sete dias. Meta ousada. Atualmente, costuma demorar entre 30 e 40 dias, dependendo do cliente. Hoje, todas as grandes construtoras atuam como correspondentes bancárias da Caixa e fazem, em média, 60% do trabalho.

O processo será online e os ajustes de sistema começam a ser acertados. A empresa irá usar o mesmo sistema do banco na avaliação de crédito - e passam a ter acesso, inclusive, ao cadastro de pessoas físicas do Banco Central. Também será responsável pela análise de crédito dos trabalhadores com renda informal, um processo mais complexo que considera parâmetros históricos, renda presumível e movimentação bancária. Caberá à Caixa dar a palavra final e autorizar ou não a emissão do contrato.

"Só mandaremos os clientes que estiverem com tudo certo", diz José Adib, diretor-executivo de crédito imobiliário da MRV. Até porque o índice de devoluções será usado pela instituição para medir o desempenho das construtoras. Quem tiver muitos contratos devolvidos, pode ser descredenciada.

A capacidade operacional da Caixa - ainda que o banco tenha reduzido a burocracia após o programa e terceirizado parte do trabalho - é uma das maiores preocupações dos investidores, inclusive estrangeiros. "Só com a parceria entre a Caixa e as empresas conseguiremos chegar a 3 milhões de casas", diz Rubens Menin, presidente da MRV.

Para as construtoras, dominar a concessão do crédito faz toda a diferença porque acelera o processo de recebimento de dinheiro. Hoje, é comum as empresas virarem o mês com a pendência de centenas de aprovações. O novo modelo diminui a necessidade de capital próprio e melhora o fluxo de caixa das empresas. No programa Minha Casa, Minha Vida, o dinheiro é repassado para as construtoras conforme o andamento da obra. E, quanto maior o número de mutuários repassados à Caixa, maior o volume de capital recebido.

A MRV já tinha sido a primeira construtora a atuar como correspondente bancária da CEF em 2008. Por enquanto, os testes de crédito online estão restritos à superintendência regional da Caixa em Campinas e dois clientes tiveram o crédito aprovado. A ideia é levar o modelo para os feirões da Caixa, que começam em maio, mas apenas para empreendimentos nos quais já houve repasse. A MRV tem 350 pessoas na área de crédito - cem deles como correspondentes. Segundo Adib, não serão necessárias novas contratações.
 
Procurada, a CEF confirmou que os correspondentes bancários assumirão a parte operacional dos processos habitacionais. "O novo modelo encontra-se em fase de teste, devendo entrar em pleno funcionamento depois de maio de 2010".